Você está aqui Mundo Africa  

Igreja em África preocupada com os conflitos na RDC e no Sudão

Segunda, 16 Abril 2018  vanda de carvalho

De recordar que um padre católico foi raptado no final da missa de Páscoa, no passado 1 de Abril, por um grupo armado na Paróquia de Karambi.

O vaticano acompanha o caso e adiantou que este é mais um episódio de “violência e perseguição” contra membros da Igreja Católica naquele país.

Depois de levarem o padre Celestin Ngango, os raptores exigiram um resgate no valor de cerca de 400 mil euros para libertar o sacerdote.

De acordo com o serviço informativo da Santa Sé, a Província de Kivu do Norte tem sido uma das regiões mais afectadas, havendo a registar também vários casos de perseguição contra membros do clero.

Os bispos congoleses já exigiram a libertação imediata do padre Celestin Ngango e condenaram o contexto que tomou conta da nação africana.

“Em 2012, três padres foram sequestrados. Desde então, não ouvimos falar deles; depois, em Julho de 2017, houve um novo sequestro e agora outro. É muito triste”, lamentam em comunicado aqueles responsáveis.

Para a Igreja Católica congolesa, é imperioso que as autoridades nacionais retomem as rédeas do país, mas para isso é preciso resolver a questão política.

Recorde-se que no final de 2016, o presidente cessante Joseph Kabila decidiu prosseguir com o seu mandato, sem convocar eleições, o que provocou um forte clima de contestação.

“Há um problema no governo: eles não podem proteger o país. Se conseguirmos organizar boas eleições, teremos instituições fortes que conseguiriam assegurar a população e o território nacional”, sustentam os bispos.

O Arcebispo do Lubango e presidente do SECAM deu o seu parecer sobre o conflito que esses países vivem.

Esses conflitos que resultam emperseguições de cristão que se impõe as alterações feitas na constituição da RDC, alterações que só privilegiam o partido no poder. 

Escute: Repórter Edgar da Silva - Igreja em África preocupada com os conflitos na RDC e no Sudão

Em Fevereiro deste ano, o Papa Francisco promoveu uma jornada mundial de jejum e oração a favor das populações da República Democrática do Congo e do Sudão do Sul.