Você está aqui Mundo Asia  

Bispos das Filipinas criticam presidente do país por abusos dos DH

Terça, 07 Fevereiro 2017  vanda de carvalho

Os bispos das Filipinas voltaram a criticar duramente o Presidente do país pelos abusos dos direitos humanos na sua alegada guerra contra o tráfico de droga.

Duterte, que durante o seu mandato como autarca de Manila era conhecido como “o castigador”, foi eleito em grande parte devido às suas promessas de declarar guerra ao mundo do crime e do tráfego, mas existem suspeitas de que o está a fazer às margens da lei.

O Presidente defende uma política de “atirar a matar” sobre qualquer suspeito de ligação à droga, caso resista à detenção. Desde que tomou posse há registo de cerca de 7.200 assassinatos de alegados criminosos, com muitos corpos a serem encontrados de mãos atadas em locais abandonados.

Duterte não disfarça o seu desprezo pelos direitos humanos. Em Setembro disse abertamente que “Hitler massacrou três milhões de judeus. Agora, há aqui três milhões de viciados. Gostaria de matá-los a todos”.

Este domingo, nas missas em todo o país, foi lida uma declaração da Conferência Episcopal das Filipinas, criticando o “reino de terror” causado pelas políticas do Presidente.

Igualmente grave, dizem os bispos, é o facto de muitos católicos aceitarem este cenário ou aprovarem. “Uma causa de preocupação ainda maior é a indiferença de muitos para este mal. É considerado normal, ou, pior ainda, algo que (de acordo com eles) precisa de ser feito”, referem os bispos na nota pastoral.

Embora não se refiram directamente a Duterte, os bispos apelam aos “políticos eleitos para servirem o bem comum das pessoas e não os seus próprios interesses” e criticam a corrupção policial e judicial.

Esta não é a primeira vez que os bispos tomam uma posição de força contra Duterte. Em Agosto de 2016, o arcebispo Socrates Villegas, da diocese de Lingayen-Dagupan e presidente da Conferência Episcopal, desafiou directamente o Presidente.

O Governo reagiu à nota pastoral dos bispos, dizendo que estes estão “desligados da realidade” do combate à droga.

A esmagadora maioria dos filipinos são cristãos, com 80% a professar o catolicismo, e a Igreja tem bastante influência social, mas esse facto não parece estar a afectar Duterte.