Você está aqui Mundo Asia  

Líder supremo acusa 'inimigos da nação' por protestos no Irã

Quarta, 03 Janeiro 2018  vanda de carvalho

Em seu primeiro pronunciamento após seis dias de protestos contra o governo, o líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, acusou os "inimigos da nação" de responsabilidade pela crise política. Contra as dificuldades económicas e o autoritarismo do regime de Teerã, os manifestantes saem às ruas em diversas cidades e são reprimidos pelas forças de segurança. No total, já são 21 mortos e mais de 450 detidos na onda de manifestações iniciada na última quinta-feira em Machhad, a segunda cidade mais populosa do país.

As mortes agravam a crise no país, que encara as manifestações mais robustas contra o seu regime desde 2009, quando milhões de pessoas saíram às ruas para protestar contra a reeleição do então presidente Mahmoud Ahmadinejad, sob acusações de fraude eleitoral.

- Nos acontecimentos dos últimos dias, os inimigos se uniram e estão usando de todos seus meios, seu dinheiro, suas armas, suas políticas e seus serviços de segurança para criar problemas para o regime islâmico — afirmou Khamenei, em uma declaração transmitida pela emissora de televisão oficial.

-Esperam apenas uma chance para se infiltrar e atacar o povo iraniano. O que pode impedir o inimigo de agir é o espírito de coragem, de sacrifício e a fé do povo, dos quais vocês são testemunha.