Você está aqui Mundo PALOP  

Conferência de Institutos Religiosos debate vida consagrada em Moçambique

Sábado, 14 Abril 2018  vanda de carvalho

Representantes de Congregações religiosas em Moçambique, estiveram reunidas de 11 a 13 de Abril corrente, em Assembleia Geral extraordinária. O encontro que decorreu no Instituto Superior Maria Mãe de África, em Maputo, tinha como principal objectivo levar os superiores maiores das Congregações religiosas em Moçambique a reflectir sobre os desafios da vida consagrada no País.

Segundo a Ir. Regina Caiato, vice-presidente da CIRMO, Conferência dos Institutos Religiosos de Moçambique, buscar soluções dos desafios que a vida consagrada enfrenta em Moçambique, foi o tema de fundo do encontro.

Vida Consagrada em Moçambique: desafios e soluções

"Vida Consagrada em Moçambique: Desafios e soluções", este foi o lema da I Assembleia Geral extraordinária da CIRMO. E a Ir. Regina Caiato, justifica a escolha deste lema, com o facto de os religiosos nas suas Congregações estarem a enfrentar uma série de desafios, cujas soluções devem ser encontradas em conjunto, pois, segundo elaborou, este é um problema global.

Entretanto, o Vatican News em Maputo, interpelou alguns participantes do encontro. Para o Pe. Alexandre, da Congregação dos Sacerdotes do Coração de Jesus, o evento serviu de troca de experiências em prol da vida consagrada em Moçambique, cujos desafios são enormes.

"Igreja Católica não é estática, mas sempre em movimento", Ir. Teresa

Por seu turno, para a Irmã. Teresa de Carvalho, da Aposentação de Maria, a vida consagrada em Moçambique, é uma das vozes que aponta para o futuro, pois a igreja está sempre em movimento e é preciso acompanhar essa dinâmica enquanto religiosos e religiosas.

De referir que a primeira Assembleia-Geral extraordinária da CIRMO-Conferência dos Institutos Religiosos de Moçambique, terminou nesta sexta-feira, 13 de Abril, e contou com a presença de pouco mais de 50 superiores das congregações religiosas no País, e a cerimónia de abertura foi orientada pelo Núncio Apostólico em Moçambique, Dom Edgar Penã Parra.