Você está aqui Mundo PALOP  

Depois do Ciclone Kennety Filipe Nyusi pede a agricultores para voltarem a cultivar

Quinta, 02 Maio 2019  vanda de carvalho

Mais de trinta mil hectares de culturas diversas foram dados como perdidos na província nortenha de Cabo Delgado, depois da passagem do ciclone Kenneth. E, segundo o Presidente moçambicano, é necessário voltar urgentemente ao cultivo.

É preciso "trabalhar um pouco, para a vida mais rapidamente voltar ao normal", afirmou o Presidente Filipe Nyusi, que esteve esta quarta-feira (01.05) na ilha do Ibo e em Macomia, dois distritos bastante afetados pelo ciclone.

O chefe de Estado referiu que o abrandamento das chuvas cria condições favoráveis para retomar a campanha agrária e, assim, assegurar o sustento das famílias.

Por outro lado, Nyusi garante que o Governo está a mobilizar apoios junto dos parceiros para reconstruir as zonas afetadas.

"Nós estamos aqui para ver como é que estão e aquilo que falta e, como Governo, tudo fazer para muito rapidamente conseguirmos restabelecer a vida normal. E vimos as coisas essenciais - a alimentação para os que perderam, o apoio em abrigo e os medicamentos, porque nesta situação podem eclodir muitas doenças", disse o Presidente moçambicano.

Alerta máximo

Na terça-feira, em reunião do Conselho de Ministros, o Executivo moçambicano decidiu alargar as competências do Gabinete de Reconstrução pós-Idai para as províncias de Cabo Delgado e Nampula.

As autoridades de saúde da província de Cabo Delgado estão em alerta máximo face ao diagnóstico de mais de 20 casos de diarreia. O Ministério da Saúde negoceia com parceiros a aquisição de vacinas contra a cólera para a região, onde o ciclone Kenneth afetou quase 180 mil pessoas.

Chuvas Podem abrandar 

Depois das intensas chuvas registadas ao longo dos últimos dias, prevê-se que a precipitação comece a abrandar esta quinta-feira (02.05).

"[Para] o dia 1 e o dia 2 estamos a prever a continuação de chuvas em regime moderado, mas poderemos também registar em alguns pontos de forma forte, uma vez que o sistema ainda continua a influenciar na nossa costa", anunciou a delegada provincial do Instituto Nacional de Meteorologia em Cabo Delgado, Maria Angelina.

Por isso, a responsável pede à população que continue alerta: "Apelamos a toda a sociedade para continuar a fazer o acompanhamento das atualizações feitas diariamente, dado que eventos desta natureza, de grande magnitude, têm uma complexidade muito grande."